BPW Internacional

A Conferência das Mulheres de Negócios, realizada em 11 e 12 de maio de 1918, foi criada pelo War Work Council – Conselho do Trabalho de Guerra, para considerar a formação de uma organização de mulheres de negócios para serviço de guerra. O trabalho de Lena Madesin Phillips era chamar as executivas de Nova Iorque, explicar o propósito do encontro, convidá-las e assegurar seu apoio.

Quase 100 mulheres compareceram e a conferência designou um comitê de vinte e cinco mulheres de diferentes partes do país, chamando-o de Comitê Nacional das Mulheres de Negócios. Lena foi designada como secretária do Comitê e trabalhou arduamente, inclusive para Campanha do Fundo de Guerra.

Com o fim da guerra, a ideia de organizar mulheres de negócios e profissionais para servir aos interesses da vitória, formando outros clubes locais, perdera o sentido. Mas Lena descobriu que enquanto ela trabalhava para a campanha do Fundo de Guerra, mulheres de todas as partes do país inundaram o comitê com apelos para que os esforços para organizar a federação fossem continuados.

A AMC (re)indicou Lena para o cargo de secretária do Comitê de Mulheres de Negócios e ela começou a trabalhar com as mulheres de todo o país estavam ansiosas para ter uma organização que as representassem na luta por seus direitos.

Lena escolheu algumas mulheres para ajudá-la na missão de fundar a federação e deu-lhes a seguinte recomendação: “Nunca se esqueçam de que vocês estão comprometidas com um trabalho muito real e muito sério – que não tem preço – algo que só pode ser conseguido com o que há de melhor no seu ser, algo que é parte do grande plano de Deus para tornar o mundo melhor e homens e mulheres livres. Sejam práticas no seu trabalho, mas nunca percam o sonho da nossa grande visão do futuro. Nada além de igualdade total entre homens e mulheres.”

Após seis meses de trabalho expondo os fundamentos da igualdade econômica entre os sexos, mostrando a direção dos esforços que as mulheres americanas deveriam tomar, agora que seus direitos educacionais e políticos foram oficialmente reconhecidos, faziam-nas clamar pelo estabelecimento de uma organização nacional de mulheres de negócios e profissionais para “trazer solidariedade entre as mulheres da nação e eventualmente do mundo todo”. Esse era o sonho de Lena Madesin.

No dia 15 de julho de 1919, com mais de duzentas delegadas e quase o mesmo número de visitantes foi aberta a tão esperada convenção. Após discussões acaloradas, um grupo de mulheres determinadas definiu sua constituição e suas leis, por aclamação elegeu suas diretoras e estava organizada a Federação Nacional de Mulheres de Negócios e Profissionais nos Estados Unidos da América. A Lena foi oferecida a presidência, mas ela somente aceitou ser Secretária Executiva Nacional, pois acreditava que inicialmente poderia servir melhor.

Durante longos anos Lena trabalhou para a Federação e também desenvolveu importante carreira como advogada. Participou ativamente de várias organizações e nunca perdeu de vista seu sonho de formar uma federação internacional.

Lena elegeu-se Presidente e em 1928 aceitou continuar no cargo, já no seu terceiro mandato, pois desejava liderar a excursão da Boa Vontade, formada por cinquenta e duas mulheres que iriam à Inglaterra onde se juntariam ao grupo mais treze mulheres, aumentando o grupo para sessenta e cinco, seguindo para França, Bélgica, Holanda, Alemanha, Suíça e Itália. Além das visitas turísticas e a participação nos Jogos Olímpicos da Holanda o objetivo principal do grupo era garantir apoio das mulheres europeias para a fundação da Federação Internacional.

Em janeiro de 1930, Lena Madesin, ainda presidindo a Federação Nacional, começou a convidar as mulheres importantes, com as quais havia se encontrado em suas viagens, para um encontro de mulheres de negócios e profissionais de todos os países para discussões de interesse mútuo, a realizar-se em Genebra, Suíça em 24, 25 e 26 de agosto de 1930.

Por um quarto de século, um relógio, de inigualável valor para Lena, ficou em sua mesa, testemunhando a busca alcançada com trabalho e fé e a pedra angular colocada com determinação e esperança.

Na base deste relógio prateado que lhe foi entregue por uma delegada italiana tinha a inscrição: “ Presenteado a Srta. Lena Madesin Phillips – fundadora da Federação Internacional das Mulheres de Negócios e Profissionais – pelas representantes de dezesseis nações, entregue no primeiro encontro internacional, realizado em Genebra, em 24, 25 e 26 de agosto de 1930”.

“A mulher de hoje deve ver que existem duas coisas de particular importância para seu futuro: que ela é um indivíduo livre, independente e capaz; e que as oportunidades estão abertas para ela, mas, para que possa aproveitá-las, ela dever ter fé nela mesma, uma visão completa de suas próprias potencialidades e a coraqgem de realizá-las. A mulher agora olha para a Terra Prometida, já que as águas do rio foram abertas. Mas ninguém pode ser chamado para levantar seu corpo e colocá-lo na Terra Prometida. O passo tem de ser dado por ela mesma.”

“Nós não podemos ter mudanças simplesmente pelo desejo no pensamento. Mudança é o resultado de força que nós devemos deliberadamente controlar. A mudança pode vir por meio de uma revolução, mas também pode vir por meio de um planejamento ordenado, carregado conscientemente e com determinação.

As palavras acima, ditas por Lena Madesin Phillips em 1920, são muito atuais e apropriadas para serem ouvidas hoje, por todas as mulheres que são sensíveis à necessidade de investir em seu autoconhecimento e capacitação para conquistarem o protagonismo em suas vidas.